arquivos do presente

de janeiro e agosto de 2009, museu da maré

Arquivo Dona Orosina Vieira

leave a comment »

Arquivo Dona Orosina Vieira

O Arquivo Dona Orosina Vieira formou-se a partir do Projeto Rede Memória do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM) há cerca de doze anos atrás. Tomei conhecimento deste arquivo pela indicação do amigo Alexandre Dias e me impressionei com o protagonismo, na comunidade, de organizar uma memória a partir de documentos coletados e produzidos ali mesmo, quando na grande maioria dos casos são os poderes públicos que se responsabilizam por reter esta informação e por produzir histórias oficiais dos povos, das culturas, e dos seus processos históricos. Talvez esteja exatamente aí demarcado o diferencial ou a força deste Arquivo: os atores responsáveis por agregar esta informação são os próprios moradores do bairro, que são os atores mesmos das ações, das narrações e das memorações plasmadas nos documentos que temos hoje à disposição para escrever novas histórias da Maré. O Arquivo ADOV possui um acervo muito rico de fotografias (imagens coletadas em campanhas na comunidade, do cotidiano dos próprios moradores e das manifestações culturais como os blocos de carnaval, as casas de umbanda em desaparição, os jogos de futebol; e fotografias realizadas por fotógrafos profissionais como João Roberto Ripper) documentos de mobilizações sociais das comunidades (como atas de associações de moradores, jornais informativos), cartas pessoais de moradores antigos e recentes, relatos transcritos de histórias, mitos e lendas do bairro (publicados na forma de um livro de contos), depoimentos de moradores antigos em vídeo, artigos, monografias e teses acadêmicas cujo foco de pesquisa e ação é a Maré, livros publicados, filmes realizados, e uma hemeroteca que não pára nunca de ser atualizada com notícias agrupadas num índice taxionômico infinito (anotei alguns: “bandidos, carnaval, cultura, complexo da Maré, desigualdade, favela, funk, governo, invasão, Nova Holanda, paisagem, Timbau, traficantes”, entre muitos outros). Para operar todo este manancial está Marli Damascena, que carinhosamente nos introduz ao arquivo e relata como boa arquivista um tanto de coisas invisíveis num primeiro olhar e que vão desafiando a percepção sensível dos acontecimentos, “ativando” este arquivo interno (por ser também subjetivo) e externo (na sua materialidade visível e intercambiável), com o qual passamos a nos relacionar.

De alguma o arquivo ADOV emerge como mais uma das práticas de produção da memória longe da nostalgia do passado. Ali posso apontar pistas de iniciativas anteriores que apresentam o uso de tecnologias de imagem nesta operação da memória. Impressionante é a história da TV Maré, um projeto de criação de matérias com linguagem televisiva realizado com câmera VHS em 1989, 1990.

*

História da Maré, pesquisa realizada por Antonio Carlos Pinto Vieira e Marcelo Pinto Vieira

Click [aqui] para fazer download {175 kb}

Written by azulejista

setembro 13, 2010 às 2:52 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: